Público LGBTQ+ e a hospitalidade

Por Simon Mayle, diretor da ILTM North America, ILTM Latin America, PROUD Experiences & WTM Latin America na RX.

Estamos no universo da hospitalidade e é nosso objetivo fazer com que as pessoas se sintam bem-vindas, muito além de especiais. Muitas vezes, infelizmente, isso não acontece ou pode dar errado para o viajante LGTBQ+, deixando-os não apenas desapontados, mas insatisfeitos. Surpreendentemente, nos tempos de hoje, ainda ouço histórias pavorosas sobre questões e preferências de casais do mesmo sexo por uma cama de casal e que os departamentos de reservas alteram as confirmações de apartamentos duplos reservados pelo cliente para apartamentos twin (com duas camas separadas); cartões de boas-vindas frequentemente são dirigidos ao Sr. e à Sra., pessoas trans tratadas com pronomes errados e amenidades, como roupões de banho e chinelos, quase sempre disponibilizados para casais heterossexuais. Não acredito que nenhum desses exemplos faça com que um hóspede se sinta bem-vindo ou especial.

Leia também: A diversidade, equidade de gênero e sustentabilidade na indústria hoteleira

E por que importa, além do aspecto humano, o aspecto financeiro? De acordo com a pesquisa da Kantar, 8% dos baby boomers se identificam como LGBTQ+, enquanto 31% dos centennials (nascidos em 1997 em diante) se identificam como LGBTQ+ e isso é quase um terço do futuro de todo o público… além do que, o viajante LGBTQ+ viaja de 4 a 6 vezes por ano e gasta em média 33% a mais do que o casal heterossexual. O viajante LGTBTQ+ pode muitas vezes ter uma grande rede social e influenciar muito “aliados”. Então, sim, faz muito sentido para os negócios.

Como resultado da PROUD Experiences, vemos hotéis melhorando e desenvolvendo sua compreensão dos pontos problemáticos e áreas de desconforto, fazendo mudanças em suas operações, vendas e marketing, garantindo mais diversidade em suas mídias sociais e outras campanhas, refletindo sutilmente a diversidade. A PROUD Experiences está focada no lucrativo mercado LGBTQ+, e os aprendizados que encontramos são aplicáveis ​​em todo o espectro de diversidade, raça, gênero e deficiência – trata-se de tratar a todos de maneira diferente, não do mesmo jeito.

Conteúdo escrito por Simon Mayle. Ele atualmente é diretor da ILTM North America, ILTM Latin America, PROUD Experiences & WTM Latin America na RX.