A estratégia de influenciadores digitais na hospitalidade

Especialistas dão dicas de como escolher e trabalhar com influenciadores digitais na hospitalidade (hotéis, restaurantes e hospitais).

0
160
influenciadores digitais na hospitalidade

Com a popularização dos influenciadores digitais, é comum que empresas usem suas redes sociais para atrair público-alvo e conseguir alcançar métricas pré-definidas. Por isso, trabalhar com influenciadores digitais na hospitalidade pode ser uma alternativa de se destacar no mercado.

Afinal de contas, se antes as publicações eram voltadas para blogs e sites, atualmente as avaliações e estratégias estão, primordialmente, conectadas aos perfis das redes sociais.

E com o objetivo de ajudar o seu empreendimento a entender como usar os influenciadores digitais na hospitalidade, conversamos com duas especialistas em Marketing para esclarecer algumas dúvidas.

Influenciadores digitais em hotéis e restaurantes

Geralmente em lançamento de novos produtos, serviços e instalações, hotéis e restaurantes buscam, além da imprensa especializada e grande mídia, influenciadores digitais para apresentar ao público. Logo, para selecionar os melhores influenciadores é preciso verificar o público, número de seguidores, engajamento e sua reputação.

Gabriela Otto, sócia e proprietária da GO Consultoria e Presidente da HSMAI Brasil, conta que “é comum a seleção de influenciadores por número de seguidores. Importante lembrar que, se essa base não for engajada e/ou não estiver interessada no tema do seu negócio, será tempo e dinheiro jogados fora. Também é preciso ter cuidado com o tipo de audiência, qualidade do conteúdo e reputação do influenciador. Confiança é o que gera vendas.”

Além disso, a especialista explica que é possível trabalhar com macro influenciadores (de grande público) tanto quanto com os microinfluenciadores. “Os microinfluenciadores tem um contato mais próximo e amigável e o índice de engajamento maior. Ou seja, mais relacionamento e possibilidade de conversão. Já o macro é como um ‘megafone’, mas sem tanto relacionamento com a base de seguidores, com índice de relacionamento menor. Tem mais exposição da marca e amplitude de públicos. Ou seja, não há certo e errado, mas entender qual o objetivo da campanha”, complementa.

Influenciadores nos hospitais

Explicamos anteriormente que se tratando de marketing hospitalar é necessário tomar alguns cuidados. Na saúde existem regulamentações específicas para marketing nos hospitais.

Portanto, ao trabalhar com influenciadores digitais e marketing de influência nesse segmento também é preciso usar as mesmas regulamentações antes de começar uma campanha. “Segundo as normas das Resoluções nº 1.974/11 e nº 2.126/15, que delineiam claramente o que pode e o que não pode ser feito por médicos ou instituições de saúde na área digital, é proibido ainda o sensacionalismo, a autopromoção e a concorrência desleal. Podem-se considerar boas práticas com o influenciador digital compartilhar conteúdo instrutivo, que auxilie no acesso a informações úteis e verdadeiras ao cidadão”, explica Camilla Covello, sócia-diretora da GPeS.

Um influenciador digital pode, por exemplo, escrever sua experiência com um serviço de saúde, desde que isso seja real, sendo positivo em sites de avaliação. “Outra boa prática bastante comum é fazer com que o influenciador escreva conteúdo rico para a marca, sem fazer propaganda em si. Divulgar ações sociais que a marca ou o médico promove é outra estratégia bem vista tanto pelas marcas quanto pelos influenciadores e o público final”, complementa a sócia.

Dicas de como trabalhar com influenciadores digitais na hospitalidade da forma ideal

Nesse sentido, é necessário avaliar criteriosamente os influenciadores digitais antes de escolher um seu empreendimento. Portanto, não basta ter número de seguidores e pouco engajamento ou não conversar com o seu público, por exemplo.

Gabriela Otto separou 9 tópicos para levar em consideração na hora de escolher o criador de conteúdo:

•           Entender se o nicho que ele atua é coerente com o posicionamento do empreendimento;

•           Garantir que seus seguidores não são ‘comprados’;

•           Número mínimo de seguidores, vale colocar um valor mínimo para iniciar as buscas;

•           Reputação do influenciador;

•           Analisar qualidade de fotos e textos que publica;

•           Checar cases do influenciador com outras marcas e pedir resultados;

•           Se o KPI for conversão de vendas, muitas vezes vale dividir o budget entre vários dos microinfluenciadores do que um macro;

•           Checar poder de engajamento constantemente;

•           Preço – muitos aceitam unicamente a experiência, outros cobram por isso.

Entretanto, independente do acordo, quem define o número de postagens, estilo, até texto e tipo de fotos, é a empresa. Nunca deixar 100% na decisão do influenciador como ele retornará seu investimento. Esse acordo é feito antes e por escrito.

Novidades da hospitalidade

Além de utilizar influenciadores digitais para estratégias de marketing, é necessário pensar em outras vertentes, como posicionamento de marca. Para saber as principais dicas de hospitalidade inscreva-se gratuitamente na newsletter e receba mensalmente o conteúdo do Blog Hospitalidade Brasil na sua caixa de e-mail.